Ultimas
A carregar...

Boeing questionada sobre segurança no 787 Dreamliner.



Em entrevista à BBC, John Barnett, um ex-engenheiro de controle de qualidade da Boeing afirma que até um quarto dos sistemas de oxigênio instalados no Boeing 787 Dreamliner pode estar com defeito, Barnett informou que testou 300 novos sistemas de oxigênio e descobriu que apenas 75% foram instalados corretamente. Ele relatou a taxa de falha de 25%, à Administração Federal de Aviação (FAA) em 2017, mas disse que o regulador negou provimento à reclamação porque a Boeing havia indicado que já estava corrigindo o problema.

A Boeing rejeitou as alegações de Barnett e explicou que “todo sistema de oxigênio de passageiros instalado em nossos aviões é testado várias vezes antes da entrega para garantir que esteja funcionando corretamente e deve passar nesses testes para permanecer no avião”. No entanto, o fabricante reconheceu que tinha “identificado algumas garrafas de oxigênio recebidas do fornecedor que não estavam sendo implantadas adequadamente” naquele período e que o problema já teria sido resolvido.




As peças defeituosas teriam sido instaladas na linha de montagem final da Boeing em North Charleston, na Carolina do Sul. Não é a primeira vez que a instalação, inaugurada em 12 de novembro de 2011, está no centro de interrogatórios sobre qualidade.

As reivindicações de Barnett ecoam as descobertas da investigação do New York Times em abril de 2019. A publicação descreveu que o aumento da produção após a Boeing não cumprir os prazos de entrega obrigou os funcionários a desconsiderarem certos procedimentos, incluindo o rastreamento das peças instaladas nas aeronaves. Barnett ainda afirma que as peças destinadas ao descarte foram instaladas nas aeronaves a serem entregues.

Pelo menos um incidente pode ser rastreado até discrepâncias de procedimento na linha de montagem final de North Charleston. Em 10 de fevereiro de 2015, um Boeing 787 Dreamliner da Air Canada voava de Vancouver (Canadá), para Tóquio Narita (Japão), quando “o piloto "recebeu" informações nos indicadores de óleo de um dos motores”, disse o porta-voz da Air Canada, Peter Fitzpatrick. O avião foi desviado para Anchorage (Alasca), e uma nova aeronave foi despachada para levar os passageiros a Narita.

O Dreamliner, matrícula C-GHPQ, foi o primeiro a ser entregue à Air Canada e tinha apenas dez meses quando o incidente aconteceu. Em 29 de junho de 2019, a Boeing admitiu a falsificação de vários certificados da aeronave.


Em junho de 2019, depois de abrir uma investigação sobre o Boeing 737 MAX, o Departamento de Justiça dos EUA estendeu sua investigação de segurança ao 787 Dreamliner. A administração emitiu intimações sobre registros referentes à produção da aeronave no local de montagem da Carolina do Sul.

Enviar um comentário

0 Comentários