"Novela" Boeing 737 ganha mais um capitulo.


A Boeing não consegue respirar, em meio ao aterramento dos 737 MAX, a fabricante agora está lidando com problemas cada vez mais frequentes com o 737NG, modelo anterior ao MAX.

Após inspeções de aeronaves com mais de 30.000 ciclos de voo, várias foram identificadas com rachaduras na forquilha, porem durante as inspeções de rotina realizadas pelas companhias aéreas, ficou claro que o problema não estava apenas  com as de maiores ciclos de voo . A Qantas e a Lion Air descobriram o problema em aeronaves com muito menos que os 30.000 ciclos de voo. A Boeing disse que um avião havia rachado em uma nova área e pediu aos operadores que inspecionassem áreas adjacentes também.



Em comunicado, a Boeing disse: “As inspeções adicionais já estão em andamento. Lamentamos o impacto para nossos clientes e temos um plano de reparo para solucionar quaisquer descobertas.”

Aproximadamente 1.200 aeronaves já foram inspecionadas quanto a rachaduras. Destes, apenas em 60 foram encontrados o problema . No entanto, até agora, as rachaduras na área adicional foram encontradas em 04 jatos separadamente.

A FAA emitiu um alerta para que as companhias aéreas expandam a área de inspeção para oito elementos de fixação. Após o aviso de outubro, as companhias aéreas com 737 GN que operaram mais de 30.000 ciclos de voo devem ser inspecionadas em 60 dias. Aqueles entre 22.600 e 30.000 ciclos de voo precisam ser inspecionados nos próximos 1.000 ciclos. Agora essas inspeções devem incluir a área expandida, conforme a determinação da FAA.

A Southwest Airlines e a  American Airlines informaram que já estão inspecionando todos os seus 737-800, embora nenhum esteja acima do limite de 30.000 ciclos. Nenhuma das companhias aéreas espera que essas inspeções afetem o serviço já que estão tendo que contornar a defasagem causada pelo aterramento do MAX.



A FAA pode expandir as inspeções para incluir o restante da frota do 737 NG, já que houve a  descoberta de rachaduras da Lion Air em dois 737 NG com menos de 22.000 ciclos. Isso indica que o problema pode ser maior do que a estimativa inicial. Podendo vir a afetar quase 9.000 aeronaves 737 NG em operação em todo o mundo.

Vale ressaltar que alem dos modelos 737 NG e 737 MAX, a Boeing também enfrenta problemas nos modelos 777X e 787 Dreanliner.

Publicar um comentário

0 Comentários