Rachadura em pleno voo obriga Boeing 787 a desviar sua rota


O Boeing 787-8 Dreamliner (C-GHQY) da Air Canada realizava o voo ACA857 de London (LHR) para Toronto (YYZ) quando apresentou uma rachadura na janela do avião.

O avião estava sobrevoando a Irlanda, e estava prestes a entrar no espaço aéreo  Atlântico (aproximadamente uma hora após a decolagem) quando a tripulação detectou uma rachadura. A aeronave desceu para 25.000 pés, e seguiu voando para Dublin (Irlanda).

A aeronave, alijou combustível para aliviar o excesso de peso para o pouso, ao receber a permissão para pouso, a aeronave seguiu até a parada 10 da pista de Dublin, quase uma hora depois de detectar o problema.

A rachadura ocorreu no cockpit e isso ajudou os pilotos a tomarem medidas instantâneas, os passageiros e a tripulação não sofreram nenhum ferimento neste incidente.

A Air Canada enviou um Boeing 787-8 Dreamliner substituto para Dublin para levar os passageiros no dia seguinte até o destino final (Toronto).

Vale ressaltar que não é a primeira vez que isso ocorre, há menos de dois meses outro Boeing 787-8 Dreamliner (C-FRSO) da Air Canada apresentou o mesmo problema. O incidente aconteceu em um voo de Xangai (China) para Vancouver (Canadá) em 01/09/2019, e a aeronave foi forçada a pousar em Tóquio (Japão). Na época, a Air Canada se recusou a falar com a imprensa sobre a causa das rachaduras, mas não podemos ignorar o fato de que é o mesmo incidente ocorrido na mesma companhia aérea com o mesmo tipo de aeronave.

Este incidente nos levanta alguns questionamentos. Porque outro Boeing 787-8 Dreamliner da mesma companhia aérea teve o mesmo problema? Que medidas estão sendo tomadas para evitar novos casos deste incidente?

Nossa equipe procurou a Air Canada para comentar o caso, mas até o momento desta publicação não obtivemos respostas.

Publicar um comentário

0 Comentários