737 MAX faz mais uma vítima


Após uma série de acontecimentos com o 737 MAX, a Boeing resolve interromper a produção do jato e uma semana depois seu CEO (Sr. Dennis A. Muilenburg) renunciou ao seu cargo.

Ainda na primeira quinzena de janeiro de 2020 David L. Calhoun (atual presidente do Conselho) assume o cargo de CEO e de presidente da companhia.

Todo o ocorrido não deixou ninguém tão surpreso tendo em vista o ano da Boeing que foi marcado principalmente pelos problemas do 737 Max, decorrentes de falhas nas aeronaves que resultaram em acidentes e mortes de passageiros. A Boeing tentou lidar com a crise e suas conseqüências, colocou 100 milhões de dólares em um fundo a ser distribuído às famílias e comunidades próximas às vítimas do acidente com o jato Max. Ela também interrompeu a produção de novas aeronaves deste modelo, aguardando sua re-certificação para voo.

Em um comunicado hoje, o novo CEO da Boeing, (Sr. Calhoun), disse que "acredita firmemente no futuro da Boeing e do 737 MAX" e uma das principais prioridades listadas pelas empresas foi "retornar com segurança o 737 MAX para o serviço" . ”O comunicado também declarou um“ compromisso renovado com total transparência, incluindo comunicação efetiva e proativa com a FAA, outros reguladores globais e seus clientes ”.

Embora não tenha sido mencionado, a Boeing também teve outro revés apenas nesta semana, pois sua espaçonave comercial tripulante Starliner CST-100 falhou em executar uma manobra automática durante seu primeiro voo de teste para a Estação Espacial Internacional, resultando no encerramento prematuro da missão.
A Starliner lançou sexta-feira (20 de dezembro) em seu primeiro voo espacial, uma missão não tripulada à ISS chamada Orbital Flight Test (OFT). Mas a cápsula sofreu uma falha com seu sistema de temporização interno logo após a decolagem e não chegou ao laboratório em órbita.

O Starliner acabou passando 48 horas em órbita em vez dos oito dias originalmente planejados, voltando à Terra no domingo de manhã. Mas a cápsula marcou alguns marcos importantes durante o breve voo. O lançamento e o pouso, as duas fases mais importantes do voo do ponto de vista da segurança dos astronautas, foram bem, e o Starliner teve um bom desempenho no ambiente espacial, disseram representantes da NASA e da Boeing.

Somando essas falhas a outras como 777-X e outros modelos da fabricante, seria prático imaginar uma mudança tão expressiva na administração. A Boeing está tentando se reerguer após um ano difícil e economicamente doloroso.

Publicar um comentário

0 Comentários